O 13 QUE BRILHOU NAS SEMIFINAIS FOI…

Não foi uma partida fácil, o placar de 2×0 foi suado. Um jogo em alta velocidade, com um horário das 14 horas e 30 minutos, mesmo assim a rapaziada não aliviou o pé. O time sulino começou melhor com os ataques de Gianlucas pra cima de Cássio. O atacante do Estrela ganhou quase todas que tentou pra cima da marcação do lateral do time da capital. Como falei intensidade mesmo, um horário com meia hora de antecedência do normal, o sol foi “convidado” e apareceu com força total.

Olha quantos jogadores em volta da bola, essa foi a tônica do jogo. Foto: Pc Esportes

O time alvianil aos poucos foi equilibrando o jogo, começou a chegar, só não chutava na direção do gol e nem para lugar algum. O primeiro tempo iria caminhando para o zero a zero, até o camisa 8 e capitão Rodrigo César da equipe de Bento Ferreira estava no lugar e na hora certa. Depois de um cruzamento do lateral Cássio, a bola sobrou livre para o capita só da um toque de leve e sair para o abraço. Na comemoração ele pegou a bola e fez aquele gesto de quando alguém vai ser pai, colocando a pelota embaixo da camisa, vem neném por ai. Vitória 1×0 Estrela aos 36 minutos.

 

O 13 QUE BRILHOU NAS SEMIFINAIS FOI…

O segundo tempo começa, a torcida do Estrela acredita e canta para incentivar seu time. A torcida da águia devolve no mesmo tom. Mais o tempo vai passando, vai passando e nada de gol, nem de um lado e nem de outro. Começa as mexidas, um técnico mexe da qui, o outro mexi da li, até que, o Wesley técnico do Vitória da um grito, ô fulano. Não deu para ouvir direito pois as torcidas estavam em pleno gritos de “guerra”. Mais ai ele passou correndo em minha frente. Keverson, o pique era de quem queria entrar e resolver.

Atacante que entrou no lugar do melhor jogador na partida, brilhou com o gol da classificação. Foto: Pc Esportes

 

Tem histórias que você tem que estar presente para poder falar, a primeira bola que ele pegou ele errou o passe, a intenção de servir o companheiro havia fracassado em sua primeira ten-tativa. Par alguns é sinal que as coisas não iriam muito bem. Mais quem nasceu para brilhar não tem jeito, vai brilhar de qualquer jeito! E aos 47 minutos, 2 além do tempo regulamentar, Keverson brilhou, um brilho escrito e deixado na memória do torcedor. Até a comemoração vai estar eternizada na cabeça de cada um que ali estava. No alambrado ou nas arquibancadas, o treze que brilhou nas semifinais do capixabão foi o de azul e branco. Vitória classificado para a final 2×0 Estrela.

PAZ NO ESPORTE E NAS COMUNIDADES!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.